Educadora FM

China impõe limite de tempo em jogos online para menores de idade

Publicado em 08/11/2019 17:34

As novas regras também incluem um limite de gastos e diretrizes de controle de contas O governo chinês anunciou um novo conjunto de regras que limitam o tempo e o acesso de menores de idade a jogos online. O objetivo seria de reduzir e controlar o que são vistos como casos de vício em videogames, segundo as informações Xinhua News Agency (via Gamespot). Com as novas regras, jovens com menos de 18 anos serão proibidos de jogar online no período entre às 22h e às 8h da manhã. Além disso, ficarão limitados a apenas 90 minutos de jogos online a cada dia da semana e três horas por dia nos fins de semana. Não apenas o tempo de acesso será afetado, como também os gastos. Jogadores entre 16 e 18 anos terão direito de gastar até 400 yuan por mês (aproximadamente R$ 240 ou US$ 57), enquanto jovens entre 8 e 16 anos poderão gastar até 200 yuan por mês (R$ 120 ou US$ 29). Por fim, o governo e a polícia também estabeleceram um novo sistema de registro com nome real, exigindo que as empresas comparem as informações das contas dos jogadores com o banco de dados do país. As novas regras valem para todas as companhias de jogos na China e aquelas que não atenderem aos requisitos poderão perder suas licenças. Vale lembrar que o país é casa da Tencent, a maior empresa de jogos do mundo, que é dona ou acionista de empresas como a Riot Games, Activision Blizzard, Ubisoft, Epic Games e muitas outras. De acordo com a declaração oficial, o governo reconhece que jogos online podem enriquecer a vida espiritual e cultural de uma pessoa, mas que eles também podem afetar a saúde física e mental de menores de idade, afetando seu aprendizado e sua vida. Atualmente, a China é considerado o maior mercado de jogos no mundo. Segundo o site, o país teve uma receita total de US$ 38 bilhões em 2018. A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou oficialmente o vício em videogames como transtorno mental em junho de 2018. Em maio deste ano, diversos representantes da indústria fizeram um apelo para que a entidade reconsiderasse sua decisão. Fonte/Reprodução: Jovem Nerd